“É bom e recomenda-se” com Marco Baixinho

Brilha na Primeira Liga Portuguesa, ao serviço do Paços de Ferreira, e já deu cartas no Campeonato de Portugal ao serviço do CD Mafra.

Esta semana “É Bom e Recomenda-se” fala sobre Marco Baixinho.

Natural de Arruda dos Vinhos, o defesa central que veste de verde e amarelo desde cedo começou a dar os “toques” na bola.

As academias do Sporting e do Benfica estão escritas no currículo de formação do jogador, sete anos na equipa de Alvalade e um ano nas águias.

Alverca e Oeiras completaram a formação do atleta, que em 2008/2009 se junta ao plantel do Carregado. Um emblema em que permanece três anos e faz a sua estreia na Segunda Liga com apenas 20 anos.

Em 2011/2012, muda-se para Mafra. Ali acompanha a equipa na transição da equipa para o Campeonato de Portugal e sagra-se campeão no final da sua quarta época ao serviço dos mafrenses.

No final dessa época, em 2015, surge a oportunidade de dar o salto para a Primeira Liga, envergando a camisola do Paços de Ferreira, emblema que representa até ao momento.

Um momento marcante na carreira futebolística do jogador que efetuou três temporadas seguidas no principal escalão português. No inicio do Verão de 2018, os castores desceram dos céus e foram despromovidos à Segunda Liga.

Uma estadia que durou um ano. Numa época brilhante, o Paços de Ferreira faz 74 pontos e Marco Baixinho só falha a última jornada do campeonato, marcando 4 golos durante o percurso.

Foco e dedicação fazem parte da carreira do jogador que já esteve nos três principais patamares do futebol português, conquistando por uma ocasião a Segunda Liga e o Campeonato de Portugal.

A preponderância do central no seio da equipa é notória. Capitão com créditos firmados e já com contrato até 2022, Marco é o expoente máximo da equipa da Capital do Móvel.

Uma semana antes de renovar contrato, o defesa assumiu, ao blog Arruda Woman, que ambiciona “jogar sempre ao mais alto nível possível e durante o máximo de tempo que puder”.

Aos 31 anos, continua a pensar em objetivos mais concretos e que ainda acredita serem possíveis como ir à Seleção ou “jogar num dos 3 grandes em Portugal”.

Metas e sonhos que ficam no pensamento dum capitão firme e com qualidade demonstrada no relvados principais do nosso país. Tudo isto, após alguns anos no Campeonato de Portugal.

Partilha com os teus amigos:

Outros artigos do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.