#100 Lixa – Com uma alcunha assim, só podia dar craque

Um lateral com alcunha de goleador? Não é erro, é sinal de que Gonçalo Peixoto estava mesmo destinado a dar cartas no futebol. Dono do corredor direito da AR São Martinho, quarta classificada da Série B do Campeonato de Portugal e candidata declarada à subida à Liga 3, Lixa atravessa a segunda época na competição e está determinado em ajudar a sua equipa a ter motivos para festejar no final da temporada. A concorrência é de peso, mas isso passa-lhe ao lado: “Não gosto de desculpas”.

Gonçalo? Não, em campo é Lixa

A paixão pelo futebol já veio entranhada desde nascença para Gonçalo Peixoto. Natural de Gondomar, as bolas eram uma prenda habitual no seu lar durante a infância e, segundo recorda, quantas mais houvesse, melhor. “Cheguei a ter em casa um cesto com cerca de 25 bolas de futebol”, revela. De forma natural, o pai colocou-o no clube da cidade, que rapidamente ganhou um lugar especial no seu coração.

“Foi muito bom ter sido formado no Gondomar. Um clube com pessoas muito amigas e ambiciosas. Era fácil jogar quando se tem o prazer de representar o clube. Fazia parte da minha essência jogar lá. Partilhava muitas vezes balneário com colegas de escola, logo as relações eram próximas com todos”, recorda.

Foi nessa fase embrionária da sua carreira que a alcunha Lixa ficou associada a Gonçalo, uma vez que o jovem, que começou a formação na posição de avançado, demonstrava grande aptidão para abanar as redes adversárias. “Na formação marcava muitos golos. Havia um pai de um colega de equipa que era também muito adepto do FC Porto. Lá jogava o Lisandro López e como toda a gente sabe marcava muitos golos. Os Super Dragões tinham como hábito chamar Lixa ao Lisandro e então o pai do meu colega começou-me a chamar isso. Ao início o meu pai não gostava, mas começou a ser tão comum no futebol que hoje em dia só me tratam por Lixa”, explica. A alcunha acabou por colar tanto que o lateral admite que muita gente desconhece o seu nome real.

Na época 2015/16, o jovem de 17 anos, que na altura ainda atuava em terrenos mais avançados, foi peça regular nos juniores do Gondomar, que falharam a qualificação ao campeonato nacional. Apesar da desilusão, as prestações de Lixa chamaram a atenção do Paços de Ferreira, que avançou para a sua contratação.

O MOMENTO

Conseguir retirar o melhor de um pesadelo


Nos sub-19 dos castores, Lixa foi utilizado de forma regular, com quatro golos em 33 jogos ao longo de 2016/17, mas na temporada seguinte, quando tudo parecia estar a correr às mil maravilhas, o maior dos azares bateu-lhe à porta, com o jovem a sofrer uma rutura nos ligamentos anteriores do joelho, uma lesão que o afastou dos relvados durante 11 meses.

“Foram tempos de muita frustração e de muitas perguntas, mas evoluí muito como pessoa e acima de tudo como atleta. Tornei me claramente um atleta bem mais completo depois da lesão. O trabalho físico passou a ser algo frequente na minha vida e permitiu proteger-me e evoluir o meu estilo de jogo para outro patamar. Tornei me muito mais explosivo e agressivo na minha maneira de jogar. Fiz das minhas fraquezas forças e sinto que superei muito bem essa lesão”, conta.

“Voltar a ser o Lixa que era”

Ultrapassada a lesão, Lixa viu-se obrigado a procurar um novo clube, uma vez que a equipa B do Paços tinha sido dissolvida, consequência da equipa principal ter descido à Segunda Liga. Para alguém em busca de reencontrar a forma e a confiança em campo e que sonha com a estreia a sénior, que melhor sítio existe do que a própria casa? Foi algo do género que o jogador terá pensado nessa altura, decidindo regressar ao Gondomar, onde integrou a equipa B, uma decisão acertada, já que foi mesmo ao serviço do clube da sua cidade que Lixa se estreou a sénior, cumprindo 25 jogos e apontando um golo na divisão distrital da AF Porto, com os bês a ficarem na metade da tabela classificativa.

“[A estreia a sénior] Foi um momento muito especial. Também por tudo o que eu tinha passado, tinha de provar a mim mesmo que estava apto para voltar a jogar. No início, as coisas foram complicadas porque tinha muito receio de fazer certos movimentos. Mas com o decorrer da época comecei a ganhar confiança e foi aí também que começou a minha caminhada como lateral. Quando comecei a jogar a lateral senti mais conforto a jogar de frente para o jogo e aí nunca mais saí da equipa. Fui totalista em todos os outros jogos da época”, relembra Gonçalo, com natural orgulho.

Na temporada seguinte, 2019/20, repetiu-se o mesmo cenário, utilização regular no Gondomar B e uma posição tranquila no campeonato. A pergunta que já se começava a impor era: então e a estreia na equipa principal? A resposta a essa pergunta nunca chegou a ser feita, já que Lixa sentiu algum receio do clube em apostar na formação e optou por voltar a dizer adeus ao Gondomar, saindo “da zona de conforto”, com vista a subir ao próximo patamar – Campeonato de Portugal. Apesar de não sentir qualquer mágoa pelo clube da terra, Lixa desabafa: “Eu sentia me claramente preparado e trabalhava diariamente para surgir essa oportunidade. Lamento que não tenha aparecido”.

Entrada dura no Campeonato de Portugal

Na época passada, o Lusitano de Vildemoinhos, militante na Série D do Campeonato de Portugal, acolheu Lixa, que rapidamente se adaptou à subida de exigência e de “profissionalismo” e passou a ser uma peça lançada de forma habitual pelo seu treinador na prova, ainda que a temporada fosse acabar em desalento. Com 23 jogos nas pernas, a ajuda de Lixa foi insuficiente para impedir a descida de divisão do emblema. “Faltou-nos um pouco de sorte. Sabíamos que ia ser uma época complicada e tudo fizemos para evitar a descida. Lutámos até ao último segundo enquanto era possível…”, garante.

Apesar da classificação infeliz, Lixa não passou despercebido à AR São Martinho e, esta época, tem sido um membro fundamental para as aspirações do clube de Santo Tirso, um dos grandes candidatos à qualificação para a fase de subida à Liga 3.

Atualmente com 23 anos, Lixa leva 15 jogos e um golo pela AR São Martinho, que disputa a ascensão para o terceiro escalão com, segundo a classificação atual, USC Paredes, Tirsense, Mirandela e ainda Amarante, ligeiramente atrás na corrida. A apenas dois pontos de distância dos lugares “dourados”, Lixa considera “estar provavelmente no melhor grupo” da sua carreira e não tem qualquer receio em declarar que subir é objetivo declarado do clube.

“Somos todos jovens, extremamente ambiciosos e remamos todos para o mesmo lado. O clube tem pessoas fantásticas, pessoas que dão tudo por nós. Ainda que difícil, o nosso objetivo é claramente subir de divisão. O grupo de pessoas e jogadores que temos, acho que nos permite sonhar com esse momento”.

Olhando para o percurso de Lixa no futebol, a estreia que nunca chegou a acontecer pela equipa principal do Gondomar parece ser um capítulo em falta na sua história. Sobre esse momento, o lateral não descarta um dia a regressar a casa pela terceira vez e finalmente cumpri-lo, até porque o amor ao clube mantém-se igual desde os tempos de infância. “Tenho um apreço muito grande pelo Gondomar. Será sempre um clube muito importante para mim. Jogar pela equipa A, nos escalões profissionais, era algo que me deixaria extremamente feliz. Pode ser que um dia se concretize e serei certamente mais um que dará a vida pelo clube, sempre”, sublinha.

No entanto, o foco agora está na AR São Martinho, mais concretamente em regressar à melhor forma após um período de paragem causado pela covid-19, e no objetivo de terminar a atual época em glória, algo que só será possível com “trabalho”, “dedicação” e sem “desculpas”. “Tenho a certeza de que ainda vamos ser muito felizes este ano pois merecemos muito esse desfecho. Tanto individualmente como coletivamente”, remata Lixa.

Perguntas

Clube favorito fora de Portugal

Manchester City.
1

Referências no futebol?

Cristiano Ronaldo e João Cancelo.
2

Adversário mais difícil que defrontou?

Diogo Dalot.
3

Comida favorita?

Francesinha.
4

O Gonçalo é um defesa/ala com um perfil mediano, rápido, intenso em todos os momentos e com capacidade de aceleração e mudança de velocidade.

É um atleta consistente a nível defensivo, é forte no desarme do adversário e tem boa leitura do jogo.

É rápido e agressivo na reação à perda e nos duelos individuais, com critério nos momentos de antecipação ao adversário. Devido às características mencionadas, tem facilidade em sair com bola das zonas de pressão.

É um jogador que ofensivamente cria inúmeros desequilíbrios, pois tanto explora a profundidade pelo corredor, como cria linhas de passe em zonas interiores. Tem qualidade no cruzamento e definição no último terço.

O Lixa é um jogador com potencial, que mantendo o rendimento atual pode chegar a outros patamares.

NOMEGonçalo Borges Monteiro Peixoto
DATA DE NASCIMENTO28/12/1998
POSIÇÃOLD/ED
PÉ DOMINANTEDireito
EQUIPAAR São Martinho
NACIONALIDADEPortuguesa
ALTURA172 cm
PESO63 kg
Partilha com os teus amigos:

Outros artigos do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.